Cientistas produzem lente de contato que dá zoom, entenda

Está novidade deixou você curioso, não é mesmo, até eu que faço uso delas, mas alguns cientistas da Universidade de San Diego criaram um protótipo de lente de contato controlada pelos movimentos dos nossos olhos.

Uma lente de contato, ou simplesmente contato, é uma lente fina colocada diretamente na superfície do olho.

As lentes de contato são dispositivos protéticos oculares usados por mais de 150 milhões de pessoas em todo o mundo, e podem ser usados para corrigir a visão, por razões estéticas ou terapêuticas.

Em 2004, estimava-se que 125 milhões de pessoas em todo o mundo usam lentes de contato, incluindo 28 a 38 milhões nos Estados Unidos.

Em 2010, o mercado mundial de lentes de contato foi estimado em US $ 6,1 bilhões, enquanto o mercado americano de lentes flexíveis foi estimado em US $ 2,1 bilhões.

Vários analistas estimaram que o mercado global de lentes de contato chegaria a US $ 11,7 bilhões até 2015.  A partir de 2010, a idade média dos usuários de lentes de contato em todo o mundo era de 31 anos, e dois terços dos usuários eram do sexo feminino.

Leonardo da Vinci é frequentemente creditado com a introdução da idéia de lentes de contato em seu Codex, onde ele descreveu um método de alterar diretamente o poder da córnea submergindo a cabeça em uma tigela de água ou usando um hemisfério de vidro cheio de água sobre o olho.

Nenhuma das duas ideias foi praticamente implementável no tempo de da Vinci: 9 Ele não sugeriu que sua idéia fosse usada para corrigir a visão, pois ele estava mais interessado em aprender sobre os mecanismos de acomodação do olho.

Descartes propôs outra ideia em 1636 – um tubo de vidro cheio de líquido colocado em contato direto com a córnea. A extremidade saliente deveria ser composta de vidro transparente, moldado para corrigir a visão; no entanto, a ideia era impraticável, pois tornava impossível piscar.

Em 1801, Thomas Young fez um par de lentes de contato básicas baseadas no modelo de Descartes. Ele usou cera para fixar lentes cheias de água nos olhos, o que neutralizou seu poder de refração. Ele então corrigiu com outro par de lentes.

Todas as pessoas que usam podem fazer as lentes aumentar ou diminuir o zoom simplesmente piscando duas vezes. Um artigo detalhando as descobertas da equipe foi publicado neste mês em Advanced Functional Materials.

As lentes biomiméticas são feitas de filmes de polímeros elásticos que respondem aos sinais elétricos gerados por seus olhos quando eles fazem um movimento, como piscar.

Muito conhecido como sinais eletrooculográficos, os humanos são capazes de emitir os impulsos elétricos, até mesmo quando estão dormindo. “Mesmo que seu olho não consiga ver nada, muitas pessoas ainda podem mover seu globo ocular e gerar esse sinal eletro-oculográfico”, disse o pesquisador-chefe Shengqiang Cai à New Scientist.

Mas não jogue fora seus óculos de leitura ou binóculos ainda – ainda é cedo, o pesquisador informou que o protótipo só funciona em um equipamento especial, e os sujeitos do teste tinham uma série de eletrodos colocados ao redor dos olhos.

Os cientistas esperam que sua invenção possa ser usada em próteses, óculos ajustáveis e robótica operada remotamente bem mais no futuro.

Lembrando que se deve procurar um médico especialista regulamente para exames, e testes, isso ajudará muito a manter a sua visão perfeita e em bom estado.

Créditos: Engadget

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Banana é fruta da alegria e felicidade, combate a depressão, é contra estresse e mais

Usar óculos qualquer de feira, pode estragar sua visão de modo irreversível