Mais de 50% dos adultos estão no grupo de risco da covid-19, diz estudo

Certos grupos de pessoas correm maior risco de contrair COVID-19, e em primeiro lugar e que a doença os atinge mais se o fizerem. Ainda mais importante, estar em um grupo de risco significa que você está “em risco aumentado de doenças graves por coronavírus”, de acordo com as orientações da OMS.

O Corona-vírus é uma doença nova e há informações limitadas sobre fatores de risco para doenças mais graves.

E tendo uma base nas informações disponíveis no momento e nos conhecimentos clínicos, idosos e pessoas de qualquer idade com sérias complicações médicas subjacentes podem estar em maior risco de doença grave por causa do vírus.

Podemos falar que ainda no que sabemos agora, aqueles com alto risco de doença grave por COVID-19 são:

60 anos ou mais
Vivem em um lar de idosos ou em instituições de longa permanência
Todas as idades com condições médicas subjacentes, principalmente se não forem bem controladas, incluindo:

Doença pulmonar crônica ou asma moderada a grave
Problemas cardíacos graves
Pessoas imunocomprometidas

E ainda vale ressaltar que muitas condições podem fazer com que uma pessoa seja imunocomprometida, e isso inclui tratamento contra câncer, tabagismo, transplante de medula ou órgão, deficiências imunológicas, HIV ou até mesmo a AIDS mal controlada e uso prolongado de corticosteróides e outros medicamentos que enfraquecem a nossa imunidade.

Dentre outros tipo que estão na linha de risco são

Obesidade alta
Diabetes
Doença renal crônica em diálise
Doença hepática

Pessoas com asma moderada a grave podem ter maior risco de ficar muito doente com COVID-19. COVID-19 pode afetar seu trato respiratório (nariz, garganta, pulmões), causar um ataque de asma e possivelmente levar a pneumonia e doenças respiratórias agudas.

Como tratar

Por enquanto não existe tratamento específico ou a vacina para prevenir o COVID-19. A melhor maneira de prevenir doenças é evitar ser exposto a esse vírus.

Tome as precauções diárias para manter espaço entre você e os outros, quando sair em público, afaste-se de outras pessoas doentes.

Procure limpar suas mãos frequentemente lavando-as com bastante água e sabão ou usando um  álcool em gel.

Procure evitar aglomerações e pessoas doentes.
Não vá no meio da pandemia em viagens de cruzeiro e viagens aéreas não essenciais.

Durante esse surto de COVID-19 em sua cidade, fique em casa o máximo possível para reduzir ainda mais o risco de ser exposto.

Se alguém em sua casa estiver doente, tente o deixar longe do resto da casa para reduzir o risco de espalhar o vírus em sua casa, e contaminar o restante dos moradores.

Evite compartilhar itens domésticos, como xícaras e talheres.
Sempre siga corretamente seu plano de ação para asma.

Continue com seus medicamentos de tratamento atuais, incluindo inaladores contendo esteróides (“esteróides” é outra palavra para corticosteróides).

Procure não parar nenhum medicamento ou altere seu plano de tratamento da asma sem falar com seu médico profissional.

Antes de tomar qualquer atitude relacionada a seu tratamento, converse antes com seu profissional médico.

E vale ressaltar que na medida que mais casos de COVID-19 são descobertos e nossas cidades agem para combater a propagação de doenças, é natural que algumas pessoas se sintam preocupadas ou ainda mais estressadas. Fortes emoções podem desencadear um ataque de asma. Converse sobre isso também com seu médico e tente se acalmar sobre medidas para ajudar a lidar com o estresse e a ansiedade.

HIV

Podemos ressaltar que o risco de doença grave do COVID-19 para pessoas com HIV não seja conhecido, as pessoas com HIV podem ter preocupações e perguntas relacionadas ao seu risco.

Essa é uma situação emergente e em rápida evolução e o CDC fornecerá informações atualizadas à medida que estiverem disponíveis.

Fonte e Crédito das informações: cdc.gov/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Especialista garante que você não deve lavar o arroz antes de cozinhar

Como um espirro pode lançar germes e vírus a uma distância de quase dois metros