Não é fácil pra vocês, mas também não é fácil pra gente que está na linha de frente

Logo no começo do surto da doença de coronavírus no ano passado 2019 em Hubei, China, o sistema de saúde local foi muito sobrecarregado.

Diversos médicos e enfermeiros que não possuíam experiência em doenças infecciosas foram recrutados para prestar assistência a pacientes com Corona-vírus.

Um estudo feito em modo qualitativo utilizando uma abordagem fenomenológica empírica entre enfermeiros e médicos foram recrutados em 6 hospitais designados pelo Corona-vírus na província de Hubei usando amostragem proposital e bola de neve.

Todos eles participaram de entrevistas por telefone, pelo prazo de 10 a 15 de fevereiro de 2020. Essas entrevistas foram transcritas na íntegra e analisadas usando uma adaptação de Haase ao método fenomenológico de Colaizzi.

Constatações

No estudo foram analisados 9 enfermeiros e 4 médicos. 3 categorias temáticas emergiram da análise do banco de dados.

Dentre o primeiro a fazer o relato disse “ser totalmente responsável pelo bem-estar dos pacientes – esse é meu dever” “. Dentre os prestadores de serviços de saúde se ofereceram voluntariamente e fizeram o possível para prestar assistência aos contaminados com o vírus

Os profissionais enfermeiros tiveram um papel crucial na prestação de cuidados intensivos e no auxílio às atividades da vida diária dentre a pandemia

O relato da segunda categoria foi “desafios de trabalhar nas enfermarias ao Corona-vírus”. Os profissionais de saúde foram desafiados a trabalhar em um contexto totalmente novo e muita das vezes sem muita experiência para lidar com certas situações, uma exaustão devido a cargas de trabalho pesadas e muitos equipamentos de proteção, e sempre aquele medo de serem infectados e infectar outras pessoas, sentindo-se impotentes para lidar com as condições dos pacientes e gerenciando relacionamentos nessa situação de modo muito estressante.

Os relatos no estudo pela terceira categoria foi de “resiliência em meio a desafios”. Todos esses profissionais de saúde identificaram muitas fontes de apoio social e usaram estratégias de autogestão para lidar com essa situação. Eles também alcançaram transcendência a partir desta experiência única.

Foi uma jornada intensiva e esgotou os profissionais de saúde em modo físico e emocionalmente. Todos os prestadores de cuidados de saúde mostraram sua resiliência e o espírito de dedicação profissional para superar todas as dificuldades vividas.

E sempre deve ser fornecido apoio abrangente para salvaguardar o bem-estar dos profissionais de saúde(médicos e enfermeiros). Os hospitais devem ter um treinamento regular e intensivo para todos os profissionais de saúde para promover a preparação e a eficácia no gerenciamento de crises pandêmicas.

As demandas do trabalho em saúde são imensas há muito tempo, qualquer pessoa que trabalhe na área da saúde sabe que os médicos de todo o mundo estavam lutando antes dessa pandemia.

O relatório do Índice de Saúde do Futuro 2020, examinou as expectativas e experiências de jovens profissionais de saúde com menos de 30 anos e como eles podem ser capacitados para atender às demandas dos cuidados de saúde de amanhã.

Dentre os resultados da pesquisa apresentados na primeira semana de março, mostram que quase 3 em cada 4 jovens profissionais de saúde dos quinze países pesquisados ​​sofrem regularmente estresse relacionado a sua jornada de trabalho.

E cerca de um em cada três deles considerou deixar a profissão. Dentre essas demandas do trabalho na área da saúde são imensas há muito tempo, resultando em desgaste.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diabetes é principal fator de risco da covid-19, comunica infectologista

Rúcula a fonte de minerais que você precisa para baixar a pressão arterial, veja!