Médica mostra como identificar se sua imunidade está baixa e o que fazer para fortalecer

Existem várias maneiras de se identificar uma baixa imunidade, o médico Rui Falcão, da Universidade do México, deixou esta dicas para você:

Alguns exames de sangue também podem determinar se seu sistema imunológico está respondendo adequadamente e produzindo as adequadas proteínas que identificam e matam invasores estrangeiros, como bactérias ou vírus (são os anticorpos).

Faça um pré-natal: Todos os pais que têm um filho com um distúrbio de imunodeficiência primária podem querer fazer o teste para certos distúrbios de imunodeficiência durante e também no futuro das gestações. Algumas amostras do líquido amniótico, sangue ou células do tecido que se tornará a placenta (córion) são testadas quanto a sempre anormalidades.

Já em vários casos, se faz o teste de DNA é feito para testar um defeito genético. E sempre os resultados dos testes possibilitam a preparação para o tratamento logo após o nascimento, se necessário.

E dentre os sintomas estão:

1 – Machucados demoram a cicatrizar:

Olha quando sua pele entra no modo de controle de danos após queimar, cortar ou raspar. Seu corpo trabalha para proteger a ferida e se curar, enviando sangue rico em nutrientes para a lesão para ajudar a regenerar a nova pele.

E é neste processo de cicatrização depende de células imunológicas saudáveis. Mas se seu sistema imunológico estiver lento, sua pele não poderá se regenerar. Em vez disso, suas feridas perduram e dificultam a cicatrização.

2. Infecções frequentes

A Academia Americana de Alergia, Asma e Imunologia informa que dentre os sinais de uma possível deficiência imunológica em adultos incluem:

– Um número de mais de quatro infecções de ouvido em um ano
– Se desenvolver pneumonia duas vezes durante o período de um ano
– Você sofre de sinusite crônica ou mais de três episódios de sinusite bacteriana em um ano

3 – Seu nível de estresse é muito alto:

Saiba que não é por acaso que você tende a ficar doente depois de um grande projeto no trabalho ou após uma situação emocional em casa.

Segundo um estudo da American Psychological , um estresse a longo prazo enfraquece as respostas do seu sistema imunológico.

E conforme o estudo isso ocorre porque o estresse diminui os linfócitos do corpo, que são os glóbulos brancos que ajudam a combater a infecção. Ou seja mais baixos os níveis de linfócitos, maior o risco de vírus como o resfriado comum.

4 – Sempre resfriado: 

Olha saiba que é perfeitamente normal que os adultos espirre e cheire dois ou três resfriados a cada ano. A maioria das pessoas se recupera de 6 a 10 dias.

Durante todo esse tempo, o seu sistema imunológico leva de três a quatro dias para desenvolver anticorpos e combater germes incômodos.

Mas saiba que se você está constantemente pegando resfriados – ou se tiver um resfriado que não segue seu curso – isso é um sinal claro de que seu sistema imunológico está lutando para acompanhar.

5 – Diarreia e dores de barriga:

Olha a diarreia frequente, muito gases ou constipação, pode ser um sinal de que seu sistema imunológico está um pouco comprometido.

Estudos mostram que quase 71% do seu sistema imunológico está localizado no trato digestivo. As bactérias e microorganismos benéficos que vivem lá defendem seu intestino contra infecções e apoiam o seu sistema imunológico.

Quando se tem pequenas quantidades dessas bactérias intestinais úteis podem deixá-lo em risco de vírus, inflamação crônica e até distúrbios auto-imunes.

7 alimentos que ajudam a aumentar a imunidade

Cítricas

A maioria das pessoas recorre à vitamina C depois de pegar um resfriado, e saiba que isso é sim eficaz, isso porque ajuda a construir seu sistema imunológico. Pensa-se que a vitamina C aumenta a produção de glóbulos brancos. Estes são essenciais para combater infecções.

São as laranjas, tangerinas, limões, abacaxi, acerola, maracujá, lima-da-pérsia.

Seu corpo não produz ou armazena, então você precisa de muita vitamina C diariamente para manter a saúde. E todas as frutas cítricas são ricas em vitamina C. Com essa variedade para escolher, é fácil adicionar um pouco dessa vitamina a qualquer refeição.

Pimentões vermelhos

Talvez você pense que são só as frutas que possuem mais vitamina C de qualquer fruta ou vegetal, saiba que o pimentão vermelho contém duas vezes mais vitamina C do que os cítricos. O alimento também são uma rica fonte de beta-caroteno. E ainda impulsiona seu sistema imunológico, a vitamina C pode ajudar a manter a pele saudável. O beta-caroteno ajuda a manter os olhos e a pele saudáveis.

Alhos

Tem gente que gosta, outros não, mas saiba que o alho é encontrado em quase todas as cozinhas do mundo. Sempre se acrescenta um pouco à comida e é essencial para a sua saúde.

Desde as primeiras civilizações reconheceram seu valor no combate a infecções, o alho também pode ajudar a baixar a pressão sanguínea e retardar o endurecimento das nossas artérias. E dentre as principais propriedades estimuladoras do alho parecem vir de uma forte concentração de compostos contendo enxofre, e como a alicina.

Espinafre

O verde espinafre fez parte da nossa lista não apenas por ser rico em vitamina C. É uma folha que contém vários antioxidantes e beta-caroteno, que podem aumentar a capacidade de combater várias infecções de nosso sistema imunológico.

E vale ressaltar que igual ao brócolis, o espinafre é mais saudável quando é cozido o mínimo possível, para reter seus nutrientes. Mas no entanto, o cozimento leve aumenta sua vitamina A e permite que outros nutrientes sejam liberados do ácido oxálico.

Vamos agora ressaltar mais alguns ótimos alimentos:

Brócolis

Gengibre

Iogurte

Amêndoas

Açafrão

Chá verde

Mamão

Kiwi

E vamos ressaltar também, que praticar exercícios físicos, reforça todo o seu sistema imunológico por um todo, faça pelo menos uma caminha frequentemente e uma boa alimentação.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gelatina fonte de colágeno, excelente no tratamento de artrose e osteoporose, veja

Praticar exercícios pode diminuir risco de ser contaminado com coronavírus, veja